Paciência e foco na transição capilar

Paciência e foco na transição capilar

 Esses dias perguntei pra Andrizzy porque ela entrou em transição capilar. Estava escrevendo mais uma história pra nosso cantinho “Conversando Sobre”. Ela no Estado da Paraíba (JP), mas temos uma coisa em comum: a transição capilar. Está há 3 meses voltando aso cachos – no comecinho ainda! O bom é que tudo que ela me contar vai ficar registrado aqui e quando seu cabelo estiver enooorme ela vai poder ler tudinho e lembrar como valeu a pena.

o que achei (12).png

Andrizzy entrou em transição porque estava pranchando o cabelo demais, toda semana. Certo dia, viu um fio todo danificado – imagina o desespero – e aquilo a chocou.

“Fez com que eu me arrependesse de todos os anos de química. Foram 7 anos alisando, porque desde novinha eu faço definitiva no meu cabelo. Eu quis voltar como era antes, também eu entrei na Igreja e tudo isso fez com que eu reconhecesse como Deus me ama do jeito que Ele me fez”.

A internet

“As blogueiras me motivaram e eu estou vendo muitos vídeos sobre transição capilar. A Ana Lídia Lopes, do blog Apenas Ana, é minha maior inspiração e os nossos cachos, creio eu, são parecidos”.

A ansiedade

“Eu sou muito ansiosa para que o cabelo cresça, mas eu rezo muito para eu ter paciência. Meu cabelo ainda está médio/grande, porque eu estou no começo da transição. Cortei pouco, mas não afetou em nada”.

 

o que achei (13).png

Ela conta que a mãe foi a que mais gostou da sua decisão, mas que uma tia que era cabeleireira (e que fazia o seu cabelo), ainda julga até hoje.

Pra fechar, o recado de Andrizzy, pra quem assim como ela, está iniciando a transição:

É bom que você tenha foco, porque é importante saber aonde quer chegar. Ter uma motivação, uma inspiração. São essas coisas que nos ajudam a passar por essa fase um pouco melhor. Também é importante não ouvir os maus julgamentos!”

Foi um prazer conversar com você, Dizzy! Quem quiser acompanhar a transição dela é só ficar de olho no Instagram: dizzy em transição!  E aí, curtiram o bate papo? Me manda sua história também! É só mandar um oi clicando aqui! ❤

Beijos, Bruna D.

Anúncios
Transição Capilar passa!

Transição Capilar passa!

o que achei (6).png

Neste domingo lindo de sol, vamos fazer uma conexão Rio-São Paulo! A conversa de hoje é sobre a transição da paulista Gabriela Macedo, do Gabi em Transição. Antes de tudo, indico muito seguir a Gabi no Instagram e no Youtube (só clicar nos links!), ela é SUPER simpática e contou tudinho sobre a sua transformação pra mim.

Adianto também o principal recado dela pra quem está em transição:

o que achei (10).png

gabriela hojeAgora vamos conhecer a história da Gabi?? Ela começou sua transição em fevereiro de 2016. Sua última química foi em novembro de 2015. Decidiu parar de alisar por cansar do cabelo que tinha, ralo nas pontas, com cor indefinida e sem vida. E também por um fato que a deixou muito curiosa:

“Uma menina do colégio disse que iria parar de alisar o cabelo e deixar crescer natural. Até aí, não sabia o que era transição capilar e fiquei imaginando ‘Essa menina está louca? Deixar o cabelo crescer sem alisar?’ Mal sabia eu que um tempo depois ia entrar em transição capilar também”😂😂

Gabriela diz que nunca pensou em desistir, mas que não descartava a ideia de que se tudo desse errado, e se tivesse vontade, voltaria a alisar os cabelos um dia. Também não teve  incentivo da família ou de pessoas próximas, na verdade, eles criticavam e achavam feio, diziam até que os cachos não iriam voltar! – Que absurdo, né?!!! Determinada como é, ela foi até o final, e está firme e forte até hoje. O Instagram é um porto seguro que a ajuda muito. “São os seguidores daqui que me incentivam a continuar a ajudar e fazer as publicações. Recebo muitas mensagens lindas e que me deixam muito feliz!”, conta.

o que achei (5)Inspiração é a palavra. A blogueira Nina Gabriella foi a principal inspiração de Gabi. “Amo ela de paixão! Enquanto eu estava em transição sempre assistia os vídeos dela e amava muito. Aliás, assistir diversos vídeos no YouTube sobre o assunto me deixava cada vez mais inspirada a continuar em transição”.

Dá pra ver nas fotos que a Gabi deixou o cabelo crescer bastante antes do BC (1 ano e 5 meses). Sobre a experiência do grande corte, ela confessa que quando cortou o cabelo amou muito.

De verdade, achei incrível, mas depois de uns 2 meses eu fiquei em uma bad de 1 semana lamentando e achando que meu cabelo estava feio hahahha, era besteira! Depois dessa semana minha autoestima voltou e eu tornei a amar meu cabelo e nunca mais tive essas crises! Mas nunca me senti menos mulher ou menos poderosa por ter um cabelo mais curto.

gabiemtransicao.png 2Em relação ao tempo do cabelo crescer, ela simplesmente desencanou. Depois do famoso bigchop o cabelo vem crescendo tão rápido que ela está bem relax em relação a isso! “Dê tempo ao tempo e tudo vai dar certo, é bem legal curtir cada fase do seu cabelo e viver várias experiências com ele”. ❤  Gente, estou ainda mais apaixonada por essa menina! Ela passou também várias dicas poderosas para cuidar dos cachos. Dá uma olhada!

ASPASMeus principais cuidados atuais com o cabelo são: Fazer umas duas hidratações na semana pelo menos e ter um condicionador poderoso! Gosto também de em 15 ou 20 dias lavar meu cabelo com um shampoo anti resíduos pra deixar o couro bem limpinho, aí logo em seguida faço uma hidratação ou nutrição power e selo as cutículas com um condicionador.

Na semana eu gosto de usar um shampoo perolado que não agride tanto os fios e matem meu cabelo limpo, mas também hidratado! Ah e os cremes de pentear são essenciais pra uma boa finalização, não precisa ser caro pra ter um resultado ótimo! Eu sou a prova disso rs Adoro um creme barato e que funcione muito bem”.

Foi um prazer conversar com você, Gabi! E aí, curtiram o bate papo? Me manda sua história também! É só mandar um oi clicando aqui! ❤ 

Bruna Dias 

Texturização com bigudinho

Texturização com bigudinho

Bom domingo! Esse fim de semana foi bem família, e como percebem, voltei às atividades aqui no blog. Hoje trouxe uma visita ilustre! Minha mãe!!! Ela vai falar sobre texturização. Isso mesmo, ela está há 3 meses sem química nas madeixas, completou 1 mês de cronograma capilar (orgulho define!). Resolveu dar uma disfarçada no cabelo que está crescendo e mostrar para vocês! (Ela não quer chamar esse período de transição, mas vamos lá).

Eu já comentei aqui que muitas meninas tentaram texturizar o cabelo para disfarçar as duas texturas e ficaram bem frustradas. Eu mesma tentei e não curti muito o resultado, preferia amassar mesmo os frios, fazendo fitagem.

Mas não é que a minha mãe consegue um resultado muito legal? O pacotinho com 12 bigudins custou R$ 6,00, ou seja, são bem baratos!

Ficou curiosa(o)? Com a palavra, mamis:

Como fazer – TEXTURAÇÃO COM BIGUDINS 

Com cabelo seco, umidificar usando apenas água no borrifador.

Passar creme de pentear (leave-in) e enrolar o cabelo  nos bigudins, em mechas pequenas. Espera secar completamente, o que dura mais ou menos 1h.

Depois desse tempo, retirar os bigudins. O cabelo ficará todo enrolado, para dar volume, passe óleo nas mãos e vá soltando os cachos, SEM pentear com pente ou escova (para não desmanchar os cachinhos). Vá “penteando” com as mãos.

Espia só:

Durante a transição (1)

 

Durante a transição (2)

E aí, curtiu o resultado? Eu amei!!! 😉 ❤

Por: Bruna Dias e Rose Dias

Conversando sobre: a Transição da Jaque!

Conversando sobre: a Transição da Jaque!

Stockholm (3)“Para ser sincera, eu não me lembro exatamente de como era o meu cabelo”. Se a gente fizesse uma pesquisa, provavelmente metade das meninas que alisam os cabelos já deve ter dito essa frase. Desta vez, quem conversa com a gente sobre transição é a Jaquelinho Pinho, de 24 anos. Jaque é publicitária e estudou comigo na PUC.  Batemos um papo e eu descobri que meu site tem sido uma das suas fontes de inspiração ❤ Vem ler!

Diasdecacho: Porque você decidiu entrar na transição?

Jaqueline: Decidi fazer a transição, pois estava cansada de ter que alisar de 6 em 6 meses e já fazia progressiva há muitos anos (que eu me lembre 8 anos), por ser mais fácil de cuidar. Sempre achei cabelo cacheado muito bonito, mas nunca soube cuidar do meu, então achava que não era pra mim, sabe? Recebi muito incentivo da minha melhor amiga, que já tinha passado pelo processo. Comecei a deixar meu cabelo crescer sem química em dezembro de 2016.

D: Porque você alisava?

Jaque: Minha mãe tem cabelo liso e nunca soube me ajudar a cuidar do meu cabelo cacheado quando eu era menor. Por conta do meu cabelo, eu era alvo de chacota de algumas pessoas na escola e isso mexia muito comigo. O problema é que na época só tinha duas soluções: andar com o cabelo preso o tempo todo ou ficar com ele todo desarrumado. Nenhuma das duas me agradava, então conversei com a minha mãe e começamos a fazer relaxamentos no meu cabelo, o que durou três anos. Depois comecei a realmente alisar.

jaque2D: Qual a parte mais difícil da transição?

Jaque: A parte da aceitação é a mais difícil, por que ver o processo das outras pessoas é encorajador, mas é mais fácil só observar o outro. Eu fui encorajada por uma amiga que já tinha passado pela transição com seus cachos maravilhosos, mas não fui vendo todo o processo, pois ela mora longe.  Quando você passa pelos perrengues de não saber lidar com as duas texturas do seu cabelo, com a insegurança, com a vontade de desistir, com o comprimento de quando você corta pela primeira vez e seu cabelo está sem química… tudo isso é difícil, mas passa….ainda bem que passa! Por isso eu digo que lidar com a ansiedade, com o estresse que vem junto com o processo de se amar como você é, isso acaba sendo a parte mais difícil.

D: E a parte mais fácil?

Jaque: Eu diria que a parte mais legal de tudo é ter vários produtos novos que ainda não conheço para poder testar, que era uma coisa que eu não tinha opção há uns 10 anos atrás, com poucas opções de cremes e afins. E isso é algo muito bom, ver que as pessoas cada vez mais estão encontrando produtos pros próprios tipos de beleza e que ter o cabelo cacheado, liso, colorido, natural, é bonito, independente do que você escolher e não somente um padrão de beleza.

Jaque conta que já cortou uma parte do cabelo e diz que irá fazer o bc.

“Acho que vai dar uma sensação de real liberdade, de completar essa trajetória. Estou pensando se irei esperar o cabelo crescer mais um pouco ou se corto mais. Nisso eu ainda estou na dúvida, mas sei que independente de fazer agora ou mais tarde, meu cabelo ainda vai precisar de cuidados contínuos”.

Designedwith Love (1)

Diasdecacho: O que significa a transição?

Jaque: Me aceitar como eu sou e aprender a me amar assim mesmo. Independente do que os outros possam achar do meu cabelo ou da minha aparência, porque todo mundo tem beleza em si. E que as diferenças é que tornam as pessoas interessantes. A partir dessa experiência eu mudei quem eu sou e a maneira como eu me vejo e os outros me veem e também como eu vejo as outras pessoas. Me ajudou a aceitar os diferentes tipos de beleza e a ter coragem pra ter o meu cabelo do jeito que eu sempre quis.

A minha melhor amiga, Aline Lima, com certeza foi a minha maior inspiração nesse processo, ver o passo a passo da sua transição também foi uma grande inspiração pra mim e o seu blog também tem sido uma fonte de inspiração!

Ownn Obrigada pela conversa Jaque! Que você inspire muitas outras pessoas também :*

Beijos, Bruna Dias

Cronograma capilar  – Parte 1

Cronograma capilar  – Parte 1

cabeloComo já falei em outros posts, a transição capilar trouxe muitas novidades para a minha rotina de cuidados com meu cabelo. A principal delas foi, sem dúvidas, o cronograma capilar. O cronograma nada mais é do que uma agenda de tratamentos para recuperar os fios ou para mantê-los saudáveis.

É super fácil e os resultados são visíveis a cada semana: força, maciez e crescimento. Convido vocês a conhecer esse processo! Vamos lá?

O querido cronograma

Primeiro, temos que entender os 3 principais pilares do cronograma capilar: hidratação, nutrição e reconstrução.

Hidratação: Eu sempre achei que todos os cremes de “massagem” fossem para hidratação, comprava qualquer um! A hidratação é sim fundamental para todo tipo de cabelo. Essa etapa é responsável por repor a água natural dos cabelos, deixando-os mais macios e brilhosos. É bem fácil, alguns cremes trazem a opção de passar por 3 minutos durante o banho. Outros são mais profundos, 20 a 30 minutos com touca. Frequência: faço2 vezes por semana.

Nutrição: Fase conhecida por ser a mais importante para os cabelos crespos, a nutrição repõe os lipídios, ou seja, oleosidade e gorduras naturais do cabelo. Lembra quando falamos de tipos de cabelo? Os cabelos crespos e cacheados ressecam mais e são facilmente danificados pelo vento, sol, além de químicas. Então, os cremes que tem manteigas e óleos vegetais, combinados com hidratantes, ajudam muito a manter esses cabelos saudáveis. Os cremes de nutrição vêm identificados, eles normalmente têm óleos (óleo de argan, macadâmia, amêndoas, coco, oliva), manteigas (karité, cupuaçu, cacau, abacate) na composição.

Essa etapa traz força e vitalidade e pode ser feita pela umectação, que é nutrição com óleos vegetais puros. É importante saber se o óleo é vegetal puro ou se é mineral. Óleo mineral não traz os mesmos benefícios, geram efeito superficial apenas. Eu gosto muito da umectação noturna: coloco o creme no cabelo de noite e vou dormir. Tiro de manhã e lavo. Frequência: uma vez por semana.

Reconstrução: Esse processo é feito para repor as propriedades naturais da fibra capilar, ou seja, repor massa e queratina dos fios. A queratina é uma proteína que ajuda a formar as unhas e os cabelos, por isso, a reconstrução é importante para restaurar cabelos ressecados, quebradiços e que já foram danificados por processos químicos. Mas, temos que tomar cuidado nessa etapa: muita queratina pode ter efeito contrário. O cabelo fica enrijecido, sem brilho, o pente nem passa. Então pode quebrar com facilidade e não é isso que queremos!

Há duas formas de fazer reconstrução: com máscaras (procedimento igual de hidratação) ou com cauterização com queratina líquida. Eu faço com queratina: lavo o cabelo, passo a queratina, deixo 10 minutos. Volto pro chuveiro e passo por cima uma máscara de hidratação (para amaciar! Cabelo fica muuuuito rígido!) e deixo mais 5 minutos. Depois enxáguo. Frequência: 1 vez por mês.

Esses foram as três fases para montar o cronograma. No próximo post vou montar o meu com vocês!

Beijos,  Bruna Dias

Beleza nossa de todo dia

Beleza nossa de todo dia

Carta às futuras transitetes

Desde que comecei a transição capilar, me questiono muito o que eu considero belo. Nunca me imaginei cortando o cabelo tão curto. Até mesmo quando tinha cabelo cacheado quase nunca cortava com medo de “inchar”. Tanta coisa mudou, comecei a despertar minha forma de olhar as pessoas e buscar nelas algo verdadeiro, uma característica que me marcasse.

Por isso que o entendimento do que é belo varia de pessoa para pessoa. A transição pode te ajudar a descobrir um eu que estava perdido debaixo daquele cabelo todo. Você pode amar essa nova pessoa ou pode querer nunca ter conhecido. E isso é tão normal.

Uma coisa que eu pensava muito durante a transição era que naquele  processo podia surgir uma Bruna que não era eu de verdade. Era uma transição, eu tinha certeza que me sentiria mal, evitaria olhar no espelho algumas vezes, mas estava num caminho necessário que valeria a pena – amém.

O pior que a gente pode fazer é se comparar aos outros a todo momento. Cada um é cada um. Isso é o principal para conseguir viver minimamente feliz. A chuva de cabelos com volume e definição que surgem nas nossas timelines podem nos animar ou fazer nos decepcionarmos com as nossas próprias madeixas. E a transição deve servir para você descobrir e conhecer melhor cada curvatura que seu cabelo vai te apresentar, não importa se 3B ou 4C*.

Você não vai ficar mais bonita ou não por causa do cabelo. Mas porque muitas outras coisas vão mudar, mesmo que volte a alisar. Uma coisa triste é pensar que você nem sabe mais “como era seu cabelo antes das escovas”. – Você só conhece você mesma por foto?

A única forma de saber se vamos gostar ou não, é tentando. Se você sente vontade, então experimenta, se joga nessa! Depois me conta 😉

* Vou postar sobre curvaturas essa semana.

Bruna Dias